Aula 1: O básico que se deve saber antes de investir em Bitcoin e seus derivados

Olá meu caro amigo(a)!

Se você chegou até aqui existe uma grande chance de você ter se interessado por Bitcoin por suas promessas de lucro e não propriamente por sua utilidade.

Maravilhoso! Mas muito… muito perigoso.

Se alguma vez você escutou falar das sereias da mitologia grega, essa será uma boa analogia. Segundo a lenda, as sereias atraíam os pescadores e marinheiros através de seu lindo canto, levando-os a naufragar batendo seus barcos contra as pedras.

O Bitcoin é assim, bem como seus derivados. A princípio as promessas de lucro são avassaladoras: 100%/50%/1000% de retorno. Sim, é possível, mas o contrário também é. Nesse mercado, se você não sabe surfar de acordo com as ondas, a chance de você se afogar é grande.

Sabendo disso nós criamos a Cripito uma escola de trading que te ensinará o B-A-BÁ de como se aventurar nesse mundo da forma mais segura possível (atenção com essa palavra), porque esse é um mercado onde não há garantias, há chances. E saber como utilizar essas chances, se precavendo do pior, é a grande chave.

Na aula de hoje falarei sobre um assunto chato mas necessário, porque ninguém em sã consciência investe em algo que não sabe o que é. São três tópicos simples, rápidos e explicativos para você entender porque esse mercado é tão popular e tem tanto potencial.

Boa aula!

O que é Bitcoin? E as criptomoedas?

Real, Dólar, Euro, Yen… obviamente você conhece qualquer uma dessas moedas. Elas são o que se chama de moeda fiduciária, seus países definiram o seu valor e por isso podem ser utilizadas como forma de pagamentos e trocas em seus territórios nacionais. Para guardá-las, você utiliza instituições chamadas bancos onde taxas são aplicadas por operação ou em períodos de tempo em troca de uma suposta “segurança” financeira.

Por último, se você precisa ir para outro país, obrigatoriamente você terá de trocar suas moedas por semelhantes do seu local destino, no que se chama casa de câmbio.

Agora imagine uma moeda que tem o mesmo valor em qualquer parte do mundo e que você não precisa de absolutamente nenhuma instituição para guardá-las, você mesmo é capaz de armazená-las com uma segurança digna do mais expressivo banco suíço sem pagar absolutamente nada. E o melhor: você não precisa carregá-la por aí, ainda assim pode fazer transações com pessoas em qualquer parte do mundo em questão de segundos.

Entendeu agora do que estamos falando? Rápido, seguro e “gratuito” (existe uma taxa por cada transação feita). Ou seja, uma ameaça direta aos bancos tradicionais.

Tudo isso não veio do “nada”, não houve um belo dia onde alguém acordou e criou o Bitcoin. Ele só existe por conta de uma tecnologia que foi criada justamente para possibilitar os processos que citamos acima. Uma tecnologia com o nome de blockchain.

Blockchain? Que raios é isso?

Blockchain é a tecnologia que serviu de raiz ao Bitcoin. Imagine-a como um livro onde todas as transações feitas ficam armazenadas de forma pública. Após enviar a transação, elas são validadas de forma automática por computadores no mundo todo que realizam o trabalho de validação, assim sua transação é confirmada sem nenhum intermediário. Todo o processo é explicado abaixo.

Ciclo de Vida de uma transação Bitcoin

Essa tecnologia tem despertado interesse de bancos e corporações que buscam formas de implementá-la em seus sistemas para diminuir de custos e aumentar a segurança e confiabilidade de suas operações.

“Ah, mas eu comprei Bitcoin porque eu vi que dava para ficar rico fácil”

Se você chegou aqui com esta convicção, esqueça. É possível ganhar dinheiro com o mercado? Sim. Mas é fácil? Absolutamente não.

Muitos (inclusive você pode ser um) fizeram seus primeiros investimentos em Bitcoin por volta de Novembro e Dezembro do ano passado, meses em que alcançamos topo histórico atrás de topo histórico, o que gerou uma falsa sensação de que fazer trade em criptomoedas era algo fácil. O mercado estava inflado, choviam analistas e grupos de sinais que sempre davam certo, 10% de lucro aqui, 50% de lucro ali, opa… 1000% de lucro! Dezembro foi como um chão fértil onde qualquer semente brotava, até mesmo a mais desconfiável das shitcoins.

Stop-loss? Tendência? Correção? Nem sabiam o que era isso. Era lambo para cá, moon para lá… a realidade bateu e o desastre aconteceu.

A maioria do lucro havia ido embora na correção.

Realizar trades não é uma tarefa fácil. Exige estudo, comprometimento, controle emocional e feeling para captar tendências.

E se você não está preparado para quedas, nenhum mercado financeiro é para você.

Mas por que o preço não para de cair?

Nesse momento irei falar sobre algo que você já deve ter escutado: bolha. Mas não é nada disso que você está pensando (como o Samy Dana gostaria), bolha é apenas um termo que é usado para denominar ativos que saem de sua linha de crescimento natural por conta de fatores externos. No caso do Bitcoin, a divulgação em massa e sua popularidade fizeram com que muitas pessoas despreparadas para o mercado entrassem crendo em lucros estratosféricos, o que obviamente não ocorreu. Assim, essa entrada de “investidores fracos” formou uma camada fina, realmente como uma bolha, que segurou o preço enquanto novos “investidores” estavam entrando. Quando esse movimento parou, os investidores reais (que haviam entrado meses antes) começaram a sacar seus lucros, gerando uma bola de neve em ordens de venda.

Mais sobre esse assunto e a explicação histórica da queda você pode encontrar em nossa análise sobre a queda do Bitcoin no Trading View.

Entendi e quero continuar, como faço para investir?

Existem duas maneiras de comprar Bitcoins: P2P (comprando de uma pessoa que já tenha) ou comprando em uma corretora.

Se você optar pela primeira opção, busque sempre vendedores referenciados e com boa reputação na comunidade. O número de golpes nessa modalidade é grande, mas é possível se proteger muito bem escolhendo com quem você fará as transações.

Optando pela segunda opção, eu particularmente recomendo as corretoras brasileiras FoxBit e Walltime (Ambas pela velocidade e baixa taxa de transação).

Em ambos os casos, será necessário que você crie uma carteira para armazenar seus Bitcoins. Uma carteira bem fácil é a Exodus, uma carteira bem intuitiva e fácil de utilizar.

A Exodus disponibiliza um endereço para você entregar ao P2P (para ele enviar os Bitcoins) ou para você sacar os Bitcoins da corretora.
A Exodus disponibiliza um endereço para você entregar ao P2P (para ele enviar os Bitcoins) ou para você sacar os Bitcoins da corretora.

E agora, o que eu faço?

Felizmente nós, a Cripito, daremos aulas gratuitas aqui no blog sobre esse mercado financeiro voltadas para quem quer investir nas criptomoedas buscando o futuro.

Você ainda pode nos seguir no Trading View, Soundcloud e Youtube (futuramente) porque estamos trazendo análises, podcasts, entrevistas, aulas e dicas sobre esse mercado e se você ainda quiser bater um papo, nós temos o nosso Telegram.

O seu acompanhamento, a sua curtida e o seu carinho será o nosso combustível.

Na próxima aula iniciaremos o conteúdo de trading e falaremos das diversas posições que você pode tomar: Holder (Position), Swinger, Daytrader e Scalper. 

Cada uma tem suas vantagens e acharemos o perfil ideal para você!

Nos vemos na semana que vem!

As aulas saem todos os Domingos para os assinantes e são liberadas para a comunidade todas as Quartas-Feiras.
div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://www.cripito.com/wp-content/uploads/2018/04/rain-from-golden-coins-business-financial-concept-animation-of-falling-golden-coins-on-white-background-hq-video-clip-with-alpha-channel_nu4ay16ox__F00031-e1522822538118.png);background-color: #ffffff;background-size: cover;background-position: center bottom;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 400px;}